Especialista explica como lidar com quem desconhece o significado de etiqueta

À especialista em etiqueta Maria Yudakova, ensina em suas publicações, de que formas tratar o próximo com gentileza mantendo à empatia e respeito mútuo. Ela crê que a etiqueta não é o conhecimento sacro reservado somente à classe social mais elevada, e sim um ajuntamento de de regras de conduta disponíveis e necessárias para a sociedade de modo geral. Num misto de simplicidade e sempre muito bem humorada a  escritora transcreve sobre aquelas regrinhas que regem nossa conduta.

Você pode gostar também:

Confira as recomendações que irão te ajudar na comunicação com seus filhos

Piores comentários sexistas mascarado de elogios

Descubra os motivos que acabam nos constrangendo, mas que não precisaria

Foi através do lindo trabalho de Maria, que conseguimos achar respostas para perguntas sobre como encarar o convívio com vizinhos difíceis e barulhentos, passageiros arrogantes e ríspidos no transporte público e parceiros sem tato, e selecionou as mais discutidas. Vejamos!

 

1- Eu me sinto muito incomodado com pessoas que têm o hábito de ouvir música sem fones de ouvidos em qualquer lugar sem se importar com as pessoas ao redor. Sinto a mesma coisa quando vejo crianças com desenhos animados ou jogos eletrônicos em viagens de avião ou lanchonetes. O que fazer?

  • Nos restaurantes ou lanchonetes, procuro logo chamar um garçom solicitando que faça alguma coisa à respeito. Da mesma forma quando ouço uma pessoa falando bem alto com outra em uma videochamada. Sempre me dirijo ao funcionário à perguntar o porquê de o estabelecimento permitir esse tipo de comportamento pertinente da parte dos seus clientes. Normalmente na maioria das vezes, essas questões são resolvidas instantaneamente ou o próprio funcionário chama o gerente. O inconveniente é que, se nessas situações eu mesma me referir à pessoa pedindo para esse desconhecido usar seus fones de ouvido, essa pessoa bem possivelmente ficará irritada. Infelizmente, as pessoas que esquecem esses padrões de etiqueta tendem a ignorar propositalmente a solicitação dos outros.

 

2- Como responder de maneira correta a perguntas do tipo: “Você é casada?”, constantemente feitas por taxistas, “Por qual motivo seu marido não arruma isso? Ele é desleixado ou você é solteira?”, de encanadores, e a outras questões parecidas formuladas por clientes a garçonetes, cabeleireiras, etc.?

  • É uma boa dizer: “Não tenho o costume de falar de minha vida particular com pessoas estranhas” e frases do tipo. Na época que eu era solteira, respondia essas frases da seguinte maneira: “Por que o meu querido esposo não pode arrumar isso? Porque ele está aprisionado em um presídio de segurança máxima pela segunda vez. Gostaria de um café?” Mas saiba, a primeira sugestão é suficiente. E indagações como “Por qual motivo você não é casada?” e “Por que você não quis ter filhos?” careceriam prevê pena de até no mínimo três anos de prisão com bens confiscados para uso em orfanatos e abrigos de animais.

 

3- Entrei no elevador de meu prédio, e em seguida um casal, sem sequer me dar bom dia à mulher sem olhar para mim diz: “15 andar” Eu não disse nada e constrangida apertei o bendito botão. Achei uma pessoa sem o mínimo de tato. De que forma poderia responder esse tipo de gente sem perder a elegância?

  • Existe uma bem simples, aliás, eu em seu lugar agiria dessa forma: primeiramente fingiria demência à ordem da pessoa, caso ela ainda se sinta na posição de requerer algo, lembre-a que ela também tem à disposição a opção de subir o 15 andares pela escada. 

 

4- Como podemos ocupar nos sentar em ônibus que em seus bilhetes de passagem não estejam indicando o número de poltrona? Um dia desses, entrei em um ônibus turístico onde alguns pares se juntaram de modo que os dois  ficaram na janela, o que fez com que os demais casais que estavam ali, se sentassem separados, e ao lado de pessoas desconhecidas. Eu tive essa má sorte, e como se não bastasse, meus vizinhos iniciaram um bom bate papo, e à pessoa que ficou ao meu lado, até inclinava-se sobre mim, quase se deitando em meu colo. Achei mal educado, então pedi pra pararem, o que ainda assim não adiantou.

  • Nós pessoas, podemos nos sentar onde quisermos, tendo o controle porém para não nos comportarmos da forma como você descreveu. É evidente que seria ótimo se os casais pudessem se sentar ao lado um do outro. Mas falo de um mundo ideal, a realidade é diferenciada. Recentemente, há pouco tempo, eu estava sentada e trabalhando em uma mesinha dentro de um café. Do meu lado, aproximadamente a uma distância de 2 metros, um casal estava a conversar tão alto que eu sequer conseguia ouvir música com meus fones. Quando rapidamente dei uma olhada para eles, a moça gritou para o rapaz: “Viu, essa mulher está nos olhando. Talvez seja porque estamos falando alto e atrapalhando-a!” Respondi, com um sorriso: “Não se preocupem. Por favor, ajam como se estivessem em sua floresta nativa”. Consegui trabalhar em silêncio pelo resto do dia. Sim, esse foi um conselho.

 

5- Colegas do trabalho constantemente me enviam solicitações de amizade pelo Facebook, mas não gostaria de aceitá-las, já que tenho o costume de postar varias coisas e informações pessoais que não dizem respeito à eles. Como faço para dizer isso sem os ofender nem parecer arrogante?

  • Seu patrão não visita seus subordinados dele pela noite para saber como vivem, como se alimentam, ou para saber como corrigem seus filhos ou ver se eles têm um toalete excelentemente limpo, não é mesmo? Podemos descobrir muita coisa sobre alguém que se utiliza com frequência das redes sociais. Então você como pessoa, tem todo o direito de não adicionar seus colegas de trabalho à sua lista de amigos sociais. Sua conta é de propriedade sua. Se seus colegas chegarem ao ponto de o indagar o porquê de você não os adicionar, responda claramente que evita unir a vida pessoal e o trabalho ou que tem um princípio: não adicionar seus colegas aos amigos. Se eles ainda assim perguntarem o porquê, responda algo do tipo: “Meu marido não permite”

 

6- Não seria falta de respeito perguntar à uma pessoa se ela pinta os cabelos ou não?

  • Pra falar a verdade isso é sim uma grande intromissão, são perguntas muito pessoais, do tipo: “Você fez botox e colocou silicone?” A melhor maneira de ração é levantando uma das sobrancelhas e retrucar: Não entendi o porque dessa pergunta.

 

7- Como posso reagir ao, na minha presença, comentarem se referindo a aparência de alguém que gosto ou que está em meu ciclo de convivência de forma: “É bem melhor que ela não use esse tipo de vestido”, “Tomara que ela não faça mais uma vez esse corte!”, “Nossa ela fez uma tatuagem, porque? É tão feia”? Ou quando me perguntam: “Ela está doente? com esse excesso de peso achei que fosse por motivo de doença, ou não?” E essa última pergunta é a calda caramelada do bolo: “Como ela conseguiu se casar?”, insinuando que o marido dela é superior de modo que ela não o mereça.

  • Nesses casos seria bem melhor ignorar a falta de senso e de educação. Mas aproveitar o momento para ensinar uma pequena lição de senso, também é válido pois há ótimas respostas que tiraram o desejo dessas pessoinhas de tornar a formular esses tipos de perguntas:

 

— Esse tipo de vestido não fica legal nela.

— Na minha humilde opinião, é um vestido deslumbrante, e com essa beleza que ela exala de dentro pra fora, qualquer um cai bem nela.

 

— Mais que tatuagem feia.

— Ela é tão bonita que nada poderia estragar essa beleza, nem mesmo essa tatuagem, que aliás eu achei bem legal.

 

— Como ela conseguiu casar com ele?

— Você tem certeza que não entende?

 

Nesse último caso, seria bem apropriado acrescentar um olhar cheio de indignação. Aliás, à vida alheia não nos diz respeito coisas do tipo, nem, deveriam ter essa necessidade, chama-se empatia.

 

8- Eu, minha chefe e um colega, compartilhamos um escritório um tanto quanto pequeno, e ela diariamente come algo que tem um cheiro muito pesado e desagradável para esse ambiente Principalmente por ser um local de trabalho (peixes, comidas condimentadas, alho, etc.). À empresa tem até uma cantina, mas ela fica localizada em outro andar e a criatura em questão não tem coragem de se locomover até lá. Aliás, à mesma não gosta que abramos a janela porque diz ficar com frio. Como conseguiremos dar fim a essa situação? Me sinto envergonhado de chegar à ela de modo direto, e um pouco de medo de que dizendo isso, venha ganhar nesse momento um inimigo.

  • Isso é verdade,. Não há forma de lidar com essa situação de maneira delicada, já que ela é sua chefe e é bem provável que não se importe com sua sugestão. A única medida então que pode ser tomada nesse caso, é que você e seu colega, venha se encher de coragem e levar isso à seus superiores, aliás os que estejam acima dela, e falem sobre essa situação. Bom mesmo seria se um deles entrasse no escritório no exato momento do almoço. Eu já tive amigos em meio aos secretários de executivos para solucionar problemas delicados: tinha por costume, chegar no trabalho pela manhã, tomar um maravilhoso café e falar sobre meus supervisores. Logo após, tudo se resolvia de uma forma ou de outra.

 

9- Pode parecer diferente, mas não suporto que me toquem sem a minha permissão(para ver um pingente, ou endireitar meu cabelo por exemplo)Fico sem reação quando um superior ou um colega faz isso.

  • Nenhuma pessoa tem a obrigação de gostar de uma conversa entremeada de gestos e toques, isso é um direito seu, meu conselho nesse momento portanto é simplesmente se afastar e pode ser o suficiente para que as pessoas percebam isso. Caso não, é apropriado dizer isso, caso falte coragem, dê dicas diárias, fale sobre isso citando exemplos, vai dar certo você vai ver.

 

10- Tenho um colega de trabalho, que trabalha de forma errada, e quando me achego para pedir que ele refaça suas tarefas, o mesmo começa a tentar me convencer de todas as maneiras possíveis que estou sendo exagerado e chato, e que o defeito e o problema está em mim, e que eu sou o problema. Com os demais colegas ocorre da mesma forma, todos são culpados, ele não, nunca!. O ser vivo ainda tem a audácia de frequentemente me enviar inúmeras mensagens de textos e voz, principalmente no período da noite. Gostaria muito de saber como lidar com uma pessoa assim.

  • A etiqueta empresarial resulta na boa performance de cada funcionário individualmente. Temos o direito porém de compartilhar o nosso desagrado com a nossos familiares ou mesmo com nossos amigos, mas, no trabalho, é importantíssimo que se garantam um bom resultado e munido de qualidade que prontamente corresponda ao nosso cargo dentro de determinado período estabelecido. De modo contrário, vamos estar sujeitos a uma multa ou penalidade. Por isso, no que diz respeito ao trabalho, é de suma importância se comportar de forma decente e evitar manter o costume de enviar mensagens de voz aos seus colegas, principalmente à noite. Você pode mostrar seu desagrado e impor seu limite de maneira que não venha a ler ou ouvir essas mensagens após determinado momento, caso indagado, diga que não ouviu pois não se dispõe a ver e ouvir mensagens que dizem respeito ao trabalho após determinada hora, ou informar a pessoa que tem por costume exercitar essa prática que sempre apaga quaisquer mensagens de texto e voz sem as ler ou ouvir que receba fora do horário de expediente. Além disso, aconselho como sendo melhor se você registrasse as infrações de seu colega, levando a seu chefe para que o mesmo se encarregue de resolver esse problema, pois a função principal de um gerente ou fiscal, é solucionar conflitos como esses. Sabemos que quando um funcionário vem a se comportar da maneira descrita acima, ele normalmente é demitido, já que traz à empresa mais mal do que bem.

 

11- Como devemos reagir a indagações do tipo “E eu faria totalmente diferente!” ditas durante uma conversa com pessoas que não sejam íntimas e se mostram contra qualquer notícia: “Mas você vai mesmo para tal lugar? Não gostei de lá e não iria outra vez” ou “Você comprou isso novo? Eu estou mais satisfeito com o velho”.

  • Nessas situações, a pessoa simplesmente quer dar a entender que ela se acha bem melhor que você. Uma das possíveis e boas respostas seriam: “Você não gostou mesmo daquele agradável lugar? Ah, isso acontece, somos diferentes. Estou sinceramente feliz em saber que o mais velho ainda lhe serve, mas pra mim, já estava na hora de dar uma renovada”. À segunda opção é balançar a cabeça vagarosa e silenciosamente como sinal de concordância e simplesmente dar fim a essa conversa, pois conversas assim se tornam exaustivas. Você também pode optar por fingir estar impressionada, mostrando uma careta de surpresa: “Você realmente gosta de uma coisa tão velha assim?” Ou ria e pergunte: “Mas como assim? Imaginei que todos amassem aquele lugar”. Na maioria das vezes, essas pessoas são daquele tipo que gostam de iniciar uma discussão ou de ver você se desculpando. Portanto, não ceda às emoções, pois é exatamente isso que os elas desejam.

 

12- Sou o tipo de pessoa que simplesmente odeia dialogar com desconhecidos seja lá em que lugar for, mas tenho à falta de sorte de sempre acabar viajando com pessoas que adoram bater aquele papo como faço pra me recusar sem ofender?

  • Você sem dúvida tem todo o direito de não estar disposta ou de não gostar de conversar, portanto ser for uma pessoa conhecida e que te trate sempre de modo gentil, será mais adequado dizer frases como “desculpe, mais não estou muito afim de conversar hoje.” ou “Podemos deixar esse bate papo para outro dia com mais tempo?” bem simples e direto.

 

13- Como Devo responder à comentários chatos à respeito de minha aparência mais por exemplo: “nossa como você está magra!” quando me sinto mais ofendida que elogiada .

  • Toda forma de elogio como “Como você está linda HOJE”, “Como você está magra, hein?” e “Esse corte, fica melhor que aquele outro em você” dão um imenso e irresistível desejo em nós de virarmos as costas e irmos embora. Há muitas frases de elogios sem conotação depreciativa: “Você está tão bonita!” ou “Nossa como você é linda!” Ao nos dirigirmos a uma pessoa de nosso ciclo de amizades, podemos elogiar seu sorriso ou dizer algo como: “Esse vestido fica muito bem em você”.